Arquivo

Archive for the ‘Filmes e documentários’ Category

Documentário – Ônibus 174

maio 31, 2010 Deixe um comentário

Do mesmo diretor de Tropa de Elite, Ônibus 174 é mais uma obra prima de José Padilha. O documentário concentra-se em mostrar a vida de Sandro Dias do Nascimento, o jovem que sequestrou um ônibus na zona sul do Rio de Janeiro, em julho de 2000.

Assim como boa parte dos brasileiros, há alguns anos atrás eu tinha a opinião de que a solução era exterminar os Sandros, fazendo “um limpa” na cidade (e no Brasil). Hoje, minha opinião é outra. E é exatamente esse outro lado da moeda que Ônibus 174 foca. Frases como: “Tem que matar mesmo!”, “Tem que fazer um limpa na cidade.”, “Bandido bom é bandido morto.”… fazem parte da revolta diária dos brasileiros para com a violência de seu país.

Contudo, acho fácil para um brasileiro classe média (ou alta) típico, que nunca pisou numa favela, nunca passou fome e sempre morou em uma habitação digna, falar algo assim. Aposto que se esse mesmo brasileiro viesse a morar 1 mês em uma favela (ou na rua), também começaria a roubar e a cometer crimes. Não aguentaria a pressão e a miséria de um lugar desses. Mas poucos pensam assim. Preferem achar que favelados (ou moradores de rua) não estão trabalhando porque são vagabundos (ou porque recebem o Bolsa Família do governo, este, um dos argumentos mais ignorantes que já ouvi), porque acham mais fácil roubar, porque entrar para o tráfico gera muito mais lucro e blablabla… toda a ladainha que jornais, telejornais e opinião popular tentam (e conseguem) colocar em nossas mentes diariamente.

Agora eu lhe pergunto: com mais de 10 anos vivendo em condições subumanas (como a de milhões de brasileiros), você também não se revoltaria? Não estaria cometendo crimes tão (ou até mais) bárbaros como esse sequestro? Se você não for hipócrita, tenho certeza de que a resposta é sim. No entanto, as pessoas preferem olhar para o lado mais fácil, inflamado apenas com o conhecimento da cena presente do seqüestro do ônibus.

Vejam bem, eu não estou dizendo que o que o Sandro fez é certo. É errado, sem dúvida. O que eu quero dizer é que os brasileiros assistem à um episódio desses tal como assistem à um filme de Hollywood. Identificam o vilão (Sandro), os mocinhos (todos as outras pessoal envolvidas na situação) e, tal como nos filmes, querem apenas o extermínio do vilão. Não percebem que esse tipo de pensamento é apenas uma solução de curto prazo. É apenas questão de tempo para que outros episódios como esses ocorram novamente no Brasil.

Apesar disso, após assistir à película, alguns ainda vão dizer que Ônibus 174 é mais um documentário que tenta transformar bandido em herói. Não acredito nisso. Ele apenas vai mais a fundo na questão da violência, tentando achar razões mais profundas sobre todo o processo que faz uma pessoa chegar ao ponto em que Sandro chegou. Aliás, José Padilha sempre procura ser o mais imparcial possível. No documentário temos entrevistas com as vítimas do ônibus, ex-moradores de rua, policiais do Bope, repórteres, bandidos, presidiários, carcereiros e muitos outros. Todos eles envolvidos diretamente com a vida de Sandro.

José Padilha foi taxado como uma pessoa de esquerda ao lançar Ônibus 174. Curiosamente, ao lançar Tropa de Elite, essa condecoração se inverteu, fazendo-o ser taxado de direita. Isso mostra que o diretor produz filmes/documentários conforme lhe convém, não deixando que a opinião alheia o influencie. E espero que continue assim. Fica aqui meus parabéns para ele, um diretor que teve a coragem de fugir dos estereótipos criados no país.

Um documentário de alta qualidade, imparcial e moderno. Obrigatório para todos os brasileiros.

“Esse Sandro é um exemplo dos meninos invisíveis que eventualmente emergem e tomam a cena, e nos confrontam com a sua violência, que é um grito desesperado, um grito impotente.” – Ônibus 174

“A imprensa contou todas as histórias. A dos reféns. A do capitão. A dos atiradores. De todo mundo, menos a de Sandro.” – Trailer do filme Última Parada 174

“Sandro é o seqüestrador do ônibus, mas é também o retrato de um país que não liga para seu povo, que não oferece escolha entre o bem e o mal, e que gera monstros.” – Luana Espeschit (http://www.ezine.jor.br/jrm7a/luanaespeschit/index.htm)

“(…) E quanto à famosa pergunta “de quem é a culpa?”, tenho a dizer que a culpa é de cada fragmento adulterado e absorvido pelas entranhas de uma sociedade malfadada, formada por uma receita com centenas de ingredientes que, combinados, resultam no nada em que estamos vivendo. Uma época vazia, banal, resignada, ofuscada pela “coisificação” que apoderou-se (ou foi usurpada) das nossas almas. O que tanto procuramos? O que tanto queremos? Coisas? E pessoas? E pessoas que não tenham coisa alguma, você quer? Eu também não, confesso. Pois assim como eu, você, sua família, seus amigos, todos nós enfim estamos contaminados pelas coisas e seu fascínio desprovido de querer, apenas satisfazendo nossos “Narcisos interiores”, enquanto uma não-perspectiva paralela vai tomando corpo, até que nos atinge, cospe em nós nosso próprio veneno. (…) É assim que a natureza age, é assim que ela devolve nossa desventurada alienação. Parabéns ao realizador deste documentário.” – Eduardo Marsola (http://www.adorocinema.com/filmes/onibus-174)

“BRILHANTE! (…) O “ser” humano carece de condições mínimas de auto-estruturação. Sandro também foi vítima de um sistema. O senso-comum nem aceita discutir esta ótica…Mas é justamente por aí que é necessário se começar. Ninguém nasce delinqüente ou assassino… Ninguém.” – Octávio Fernandes (http://www.adorocinema.com/filmes/onibus-174)

“Esse documentário nos mostra a triste realidade de muitas crianças brasileiras que diferentemente do que nosso senso comum e nossa visão distorcida são apenas crianças que necessitam de amor, proteção e carinho como nossos filhos. Li um critica que fala que o documentário transformar um bandido em herói não acredito nisso, em nenhum momento mostra-se o Sandro como herói, mas mostra sua vida e as razões que o levaram ao mundo do crime e a vontade que mudar, de ter uma oportunidade que nunca chegou até ele. Ao pensarmos na violência, no criminoso vemos que tudo está ligado a questão social e que senão mudarmos e pararmos de achar que matar resolve o problema vamos apenas animalizar cada vez mais essas pessoas excluídas e nos tornar animais também. Tão animalescos que tentamos linchar e aceitamos que policiais matem, que noção de justiça é essa? Ao ver o filme tive a convicção de que a maior vitima foi o Sandro que teve um vida marcada por violência e não lhe foi apresentadas outras escolhas, outras formas de sobreviver.” – Danile Lopesa (http://www.adorocinema.com/filmes/onibus-174)

“O documentário mostra a realidade de indeferença e exclusão que a sociedade brasileira impõe aos cidadãos mais pobres. Sem sensacionalismo, a abordagem atinge e emociona a todos os que assitem e possibilta momento importante de reflexão.” – Fernando Galvão (http://www.adorocinema.com/filmes/onibus-174)

“(…) tudo o que a sociedade fez com sandro o mesmo quis retribuir a sociedade que foi violência, falta de respeito, sem o direito de ir e vir, tirado brutalmente do convívio de seus familiares, sendo desprezados por muitos, enfim eu como estudante que sou, queria muito que a nossa sociedade parasse de colocar grades em suas casas para se protejer do que nos mesmos provocamos a eterna desigualdade social.” – Izabella Raymundo Barreto Alvesa (http://www.adorocinema.com/filmes/onibus-174)

“Ônibus 174 não é apenas um filme documentário, é acima de tudo a realidade que não queremos ver. Sandro, o bandido da história, não matou apenas uma jovem inocente, mas a crença da cordialidade brasileira. Nossa sociedade, principalmente das grandes cidades, cada vez olha menos para a miséria que está do lado, com isso fica todo dia mais próxima da violência que surge da nossa incapacidade de visualizar o que pode ser visto tão perto, a solidariedade.” – Alexandre Simões (http://www.adorocinema.com/filmes/onibus-174)

“O doc. é estarrecedor! Como cidadão, me senti inútil; como ser humano, um estúpido! (…) Padilha consegue mostrar que aquele “monstro”, foi fruto de nós mesmos… uma sociedade excludente desprovida de afeto humano, capaz de exaurir de um garoto o “sentido” da existência e de sociedade.” – Aleida Chomskya (http://www.adorocinema.com/filmes/onibus-174)

“Os direitos sociais dos cidadões não são respeitados, e isso é o que transforma os SANDROS em deliguentes de alta periculosidade. Com certeza se Sandro estivesse tido a oportudade de ter seus direitos garantidos, como um ser-humano e não ter sido tratado como um animal, incluido em todos os preconceitos sociais, o resultado não teria sido este tão trágico. Muitas vezes nós mesmos não queremos ver oque a realidade nos mostra, achamos que o problema não é conosco e não damos importância, a menos que aconteça com alguém proximo a nós. Documentários como este serve para que nos reflitamos que somos parte integrante da sociedade e que devemos tratar nosso próximo com respeito, ás vezes uma palavra, uma atenção, pode mudar a vida de uma pessoas.” – Solange Lima (http://www.adorocinema.com/filmes/onibus-174)


Documentário – A Ponte

maio 13, 2010 Deixe um comentário

“A Ponte” é o melhor documentário brasileiro que eu já assisti. Não o confunda com um outro documentário, de mesmo nome, referente à Golden Gate bridge de São Francisco, EUA.

“A Ponte” narra alguns dos problemas sociais do Brasil e da cidade de São Paulo, tendo como plano de fundo a vida dos moradores do Parque Santo Antônio (um bairro humilde próximo ao rio Pinheiros, na cidade de São Paulo).

Exibindo o exemplo da ONG “Casa do Zezinho”, um local de recreação com as mais diversas atividades disponíveis para os moradores do Parque Santo Antônio, “A Ponte” não mostra apenas os problemas, mas também aponta soluções para os mesmos.

O que mais chamou minha atenção no documentário foram os diálogos. Todos eles são realmente muito inteligentes, ricos e bem trabalhados. É um ensinamento atrás do outro. Películas como essa me fazem refletir sobre o quanto eu tenho a aprender com essa população, excluída pela maioria da sociedade. Tenho certeza de que você pensará o mesmo assim que terminar de ver o documentário.

Outro ponto positivo é a diversidade de pessoas que expõem seu ponto de vista. Tem de tudo, desde moradores do próprio bairro até vereadores. Veja só alguns deles:

  • Mano Brown, rapper
  • Floriano Pesaro, vereador (na época da entrevista concebida para o documentário, Pesaro era na verdade Secretário de Desenvolvimento Social)
  • Dagmar Garroux, educadora (autora de boa parte dos fantásticos diálogos do documentário)
  • Ferréz, escritor
  • João Batista Cardoso, empresário
  • Saulo Garroux, educador.

Todos eles promovem um debate soberbo sobre os problemas da região e suas respectivas soluções. Isso dá bastante credibilidade para a película, não a fazendo cair no erro de muitos documentários que somente expõem opiniões pré-filtradas de algumas poucas pessoas previamente selecionadas.

Apesar de seus poucos 41 minutos de duração, “A Ponte” é um documentário obrigatório.

“Eu acho que o Estado é falho? É óbvio que eu acho. Qualquer pensante acha que o Estado é falho. Mas eu não acho que o Estado, por ter obrigação, tira a minha.” – Fabio Gurgel

Abaixo, o trailer:

Documentary – Home

novembro 1, 2009 Deixe um comentário

Home is a different documentary. It explains the sources of our planet, since the rocks, volcanoes, seaweeds… passing through trees, animals until our age, where the human beings rule the entire world. Nothing new so far.

What really makes Home so great are its images. The movie is 100% consisted of aerial footage, from all over the world. All of them were taken from a helicopter and are impeccably smooth. They are simply gorgeous. Some of them gives you the impression you are in another planet. See it for yourself! This is a must watch documentary.

Just like Earthlings and Zeitgeist, Home is available for free at the official website. Just make sure to watch it in HD! 😀

Below you can watch the official trailer:

PS: If you detected some mistake in any part of my post or in my English, please, send me an email or a comment correcting me! I’m Brazilian, therefore I’m not an English native speaker. I would really appreciate being corrected! Thank you in advance! :)

Documentary – Earthlings

setembro 14, 2009 2 comentários

//In English ///////////////////////////////////////////////////////

Today, I watched a documentary called Earthlings. In one single sentence: that’s the most shocking documentary I have ever seen in my life.

earthlingsEarthlings shows how animals are really treated before and during their slaughter, for medical researches, fashion, food and so forth. The documentary makes an amazing comparison between that kind of treatment and the sexism, the racism and the speciesism. If you don’t know what the last word means (as I didn’t know), watch the movie.

By watching the trailer (watch the unrated trailer on the official website, not the rated ones on youtube) you can see a little bit of what is waiting for you on this documentary. The most  scariest thing of all: it’s all real.

This movie doesn’t skimp on violence. If you think those war, horror… movies made by Hollywood are almost impossible to watch (because of the violence) you won’t be able to watch this documentary. At the same time, don’t see this movie is like blind yourself from the truth. The truth that will never be showed on television. It will make you think hundreds of times before you put a meat on your plate again.

I never liked meat very much. I usually had meat once or twice a week. But, after seen this documentary, I’ll try to be as much vegetarian as I can be. It’s shocking how the companies responsible for that kind of treatment are immoral. I think people need to start thinking that they are eating another animal and that they do NOT need eat another animal to survive (at least you, who are reading this right now, don’t). The same thing occurs in clothing, entertainment… We don’t think where the leather comes from when we are buying a new clothes, a new chair…. We don’t think in how animals are treated in order to perform in circus… We don’t think in any of that.

One of the biggest problems (in my way of view) is that the act of eating meat is so involved in our lives (since we were born), that it’s tough to make people at least think about this issue. If you try to warn people about that, most of them will make fun of you. That’s disgusting. Yet, I prefer been ridiculed by some idiots and make one more person committed to spread this thought, instead of been quiet and don’t make anyone.

Every single sentence of the movie is a punch straight to the face. You really have to see it for yourself to know what I’m talking about.

The director of Earthlings (Shaun Monson) made the decision of letting people download it and distribute it for as many people as you want, without breaking any law. You can see he saying that here: http://www.earthlings.com/earthlings/trailer-streaming-2.php Thank you very much for that Shaun Monson!!!

You must see these 2 videos as well: http://www.earthlings.com/earthlings-featurettes.php Those are comments that Shaun Monson made about Earthlings. There is one powerful quote in one of them:

“The greatest challenge I faced after making Earthlings was getting people to see it.” – Shaun Monson (director of Earthlings)

I’ll finish this “review” with a set of quotes related to this movie (some of them are even in the movie. Others can be found here: http://www.earthlings.com/earthlings/review-press.php).

“If slaughterhouses had glass walls, everybody would be vegetarian.”

“If I could make everyone in the world see one film, I’d make them see Earthlings.” – Peter Singer, author Animal Liberation

“Earthlings is the definitive film of all time that Americans don’t want to see.” – Gretchen Wyler, The Humane Society of the United States

“Watching Earthlings is the greatest gift I have ever received. I cannot believe how ignorant I have been in the past.” – Bryce Dallas Howard, actress

“You have just dined, and, however scrupulously the slaughter-house is concealed in the graceful distance of miles, there is complicity” – Ralph Waldo Emerson

“As often has Herman had witnessed the slaughter of animals and fish, he always had the same thought: In their behavior toward creatures, all men were Nazis. The smugness with which man could do with other species as he pleased exemplify the most extreme racist theories: the principle that might is right – Enemies, a love story – Isaac Bashevis Singer 1904 – 1991

// Em Português ///////////////////////////////////////////////////////

Hoje, eu assisti um documentário chamado Earthlings. Em uma frase: esse é o documentário mais chocante que eu já vi em toda a minha vida.

earthlingsEarthlings (“Terráqueos” em português) mostra como os animais são tratados antes e durante o abate, para pesquisas médicas, uso em cosméticos e móveis, comida … O documentário faz uma fantástica comparação entre esse tipo de tratamento e o sexismo, o racismo e o especismo. Se você não conhece esta última palavra (como eu não conhecia) assista o filme.

Ao ver o trailer de Earthlings (veja o trailer não censurado no site oficial, não os censurados do youtube) você terá uma idéia do que te espera nesse documentário. A coisa mais assustadora de todas: é tudo real.

Esse filme não economiza na violência. Se você acha os filmes de guerra, terror… de Hollywood quase impossíveis de se ver (por causa da violência) então você não conseguirá assistir este documentário. Ao mesmo tempo, não ver este filme é como tapar os olhos para a verdade. A verdade que nunca será mostrada na televisão. Esse documentário fará você pensar centenas de vezes antes de colocar uma carne em seu prato novamente.

Eu nunca gostei muito de carne. Comia uma ou duas vezes por semana. Mas, após ver este documentário, eu vou começar a ser muito mais vegetariano. É chocante como as empresas responsáveis por esse tipo de tratamento para com os animais são imorais. Acredito que as pessoas precisam entender que NÃO é necessário se alimentar de outro animal para sobreviver (pelo menos você, que está lendo este texto agora, não precisa). O mesmo ocorre com roupas, entretenimento… Nós não pensamos de onde veio aquele couro presenta na nossa nova roupa, na nossa nova cadeira… Não pensamos em como os animais são tratados para serem exibidos em apresentações (como em circos). Não pensamos em nada disso.

Um dos grandes problemas que eu vejo é que o ato de comer carne está tão presente em nossas vidas (desde que nascemos) que é difícil fazer as pessoas pensarem nisso. Se você tenta alertar as pessoas sobre isso, a grande maioria delas irão rir da sua cara. Isso é repugnante. Ainda sim, eu prefiro ser zoado por alguns idiotas e conseguir fazer uma pessoa a mais comprometida em espalhar esse pensamento do que ficar parado e não conseguir convencer nenhuma pessoa.

Cada frase do fime é como um soco na cara. Você realmente precisa ver com seus próprios olhos para entender do que eu estou falando.

O diretor de Earthlings (Shaun Monson) tomou a decisão de permitir às pessoas baixarem, (e distribuírem) o filme para quantas pessoas você quiser, sem ferir nenhum lei. Você pode ver ele dizendo isso aqui: http://www.earthlings.com/earthlings/trailer-streaming-2.php Muito obrigado Shaun Monson!!!

Ah, não deixe de ver esses 2 vídeos também: http://www.earthlings.com/earthlings-featurettes.php São comentários feitos pelo diretor Shaun Monson (em inglês). Há uma excelente frase em um deles:

“O maior desafio que enfrentei depois de ter feito Earthlings foi fazer as pessoas o assistirem.” – Shaun Monson (diretor de Earthlings)

Vou terminar esta “análise” com uma série de frases relacionadas ao filme (algumas delas estão até mesmo presentes no filme, outras podem ser encontradas aqui: http://www.earthlings.com/earthlings/review-press.php)

Se todos os criadouros do mundo fossem de paredes de vidro, seríamos todos vegetarianos”

“Se eu pudesse fazer todas as pessoas do mundo assistir um filme, eu as faria assistir Earthlings” – Peter Singer, autor de Animal Liberation

“Earthlings é o filme definitivo que os americanos não querem ver” – Gretchen Wyler, The Humane Society of the United States

“Assistir Earthlings foi o melhor presente que já recebi na vida. Eu não posso acreditar no quanto fui ignorante no passado.” – Bryce Dallas Howard, atriz

“Você acaba de jantar, e não importa o quão premeditadamente o abatedouro está escondido, na abençoada distância de milhas, existe cumplicidade” – Ralph Waldo Emerson

“Por mais que Herman tivesse testemunhado o abate de animais e peixes, ele sempre tinha o mesmo pensamento: no seu comportamento em relação aos animais, todos os homens são nazistas. A idéia de que os homens podem fazer o que bem entenderem com outras espécies exemplifica a maior das teorias racistas: a lei do mais forte.” – Inimigos, uma história de amor – Isaac Bashevis Singer 1904 – 1991

Documentary – Zeitgeist

agosto 31, 2009 Deixe um comentário

A couple of moths ago I watched a film (documentary) called “Zeitgeist“. Few weeks later, a watched the second one, called “Zeitgeist Addendum”. This post, however, is just about the first one.

zeitgeist_eye

Zeitgeist resembles a Michael Moore’s film, except for the fact it doesn’t have humor. It has a tense atmosphere throughout the entire movie. The film is divided into 3 parts. The first one talks about religion; the second one talks, primarily, about 9/11 and the last one talks about money, debts and profits made by wars. I’m gonna do this review passing through all the parts separately.

_____________________________________________________________________

Part 1: THE GREATEST STORY EVER TOLD

Religion is, perhaps, the most controversial part of the film. Some people can be really offended seeing how religion is showed on the movie, especially if they go to the church every week or something like that. That’s one of the reasons I don’t show this movie to everybody. But, even those people, should at least try watch the film and come to their own conclusions.

I respect every kind of religion and I don’t think they are there simply as a way of persuade people. If religion exists since so old times, it should have something true on those stories. But I do agree, however, that most of the things in religion nowadays are made in order to take money from people, or make them fight to each other, so some people can take advantage and profit from that.

The film shows how similar the different religions are, in a way I’ve never seen before. It shows that pretty much everything in religion is related to astronomy, while the human and animals figures were put there just to “illustrate” those concepts. In the end, the movies says  there is a high degree of probability that Jesus Christ has never existed.

_____________________________________________________________________

Part 2: ALL THE WORLD IS A STAGE

The greatest part of the film in my opinion. It shows the entire 9/11 operation in a way you won’t find it on classical media. It cover a lot of things about 9/11, since the terrorists, 7th World Trade Center building, profits involved with the collapse of them… and a lot more. This part tries specially to convince the audience that the planes weren’t the reasons that turns out on the twin towers fall. There were a lot of other evidences, like the explosion before the first plane’s impact, the way the columns were cut…

That doesn’t mean those facts are true (although I believe most of them really are), but, again, at least brings you a lot of facts that wasn’t showed by the media. Watch and come with your own conclusions.

_____________________________________________________________________

Part 3: DON’T MIND THE MEN BEHIND THE CURTAIN

The last part of the movie tries to show how the current monetary system really works. It shows you how debt is a bad cycle that cannot be fix. It also shows scare things like how the Lusitania’s ship sink in 1915 was created by the U.S. government in order to have an excuse to enter in the World War I, and, as a result, make huge profits from that war. That technique was repeated at Pear Harbor, in the World War II.

Whether you liked this review or not, all I have to tell you is: You must watch this film. If you´re the patriotic type, you´ll have to let it go for two hours to be able to see this movie.

One last thing: the movie is available for download on the official website, totally for free.

PS: If you detected some mistake in any part of my post or in my English, please, send me an email or a comment correcting me! I’m Brazilian, so I’m not an English native speaker. I would love to be corrected! Thank you in advance! :)