Arquivo

Archive for the ‘Línguas’ Category

Cambridge Advanced Learner’s Dictionary – Third Edition

maio 23, 2010 Deixe um comentário

Um dos meus primeiros posts neste blog foi uma análise do dicionário Longman. Há algum tempo, contudo, venho usando também o dicionário de Cambridge. Nada mais justo do que fazer uma análise sobre este último também.

Antes de começar, é bom esclarecer que o dicionário de Cambridge não cobre apenas o inglês britânico, como seu nome pode levar a pensar. Assim como o Longman, o dicionário de Cambridge também vem com um CD que possui a pronúncia em voz de todas as palavras presentes no dicionário, tanto no inglês britânico quanto no americano. Neste quesito, contudo, eu considero a pronúncia do Longman mais nítida. É possível entender a de ambos os dicionários sem problemas, mas eu achei a pronúncia do Longman mais limpa (como se tivesse sido gravada com um equipamento mais profissional).

De uma maneira geral, em termos de verbetes, o dicionário de  Cambridge é bem mais completo que o Longman. Uma coisa que sentia falta no Longman, eram definições para palavras e expressões de baixo calão e de cunho sexual. No Longman, qualquer expressão e/ou palavra que tenha um sentido estritamente ofensivo/sexual não aparece no dicionário. No de Cambridge, contudo, elas estão todas presentes. Achei um pouco de infantilidade o fato do Longman não incluir tais verbetes. Apesar de ofensivos, eles fazem parte da língua e deveriam entrar no dicionário.

O dicionário de Cambridge é monolíngue, ou seja, tanto as palavras quanto as definições são mostradas apenas em inglês. Isso oferece vantagens e desvantagens. A grande vantagem é que isso força com que você mergulhe inteiramente sua mente na língua inglesa. A desvantagem é que não é possível fazer um mapeamento imediato de uma expressão do inglês para uma do português (e vice-versa), como o Longman faz.

No geral, o dicionário de Cambridge complementa o Longman (e vice-versa). Em 99% dos casos, o que você não encontra em um, encontra no outro. Pessoalmente, eu sempre consulto o Longman primeiro, pois sempre gosto de ouvir a pronúncia das palavras. E como eu disse na análise, eu achei as pronúncias do Longman um pouco melhores. Caso não encontre o que desejo no Longman, então vou para o Cambridge. Se fosse para escolher apenas um, eu, sinceramente, não saberia qual escolher. É uma decisão muito difícil. A principal vantagem do dicionário de Cambridge é a quantidade bem maior de verbetes. Já a principal vantagem do Longman é o mapeamento de expressões do Português para equivalentes do Inglês (e vice-versa). Os dois casos são pontos fortíssimos. Se você realmente optar por apenas um deles, fique sabendo que, qualquer que seja sua escolha, em algum momento você terá que consultar o outro. Eu sempre tenho ambos minimizados no meu PC, prontos para esclarecerem qualquer dúvida. 😉

Se o Longman é o melhor dicionário bilíngue que conheço, o Cambridge é, sem dúvida, o melhor monolíngue. Recomendado!

Categorias:Línguas

There is always time for self-improvement

maio 16, 2010 Deixe um comentário

Really inspiring! 🙂

Categorias:Línguas

FrancoClic – Curso online gratuito de francês

outubro 7, 2009 Deixe um comentário

francoClicEm homenagem ao ano da França no Brasil, o governo federal acabou criando inúmeros sites sobre os mais diversos assuntos relacionados à França e à cultura francesa. Dentre essa avalanche de material, um deles me chamou a atenção, o curso de francês online (e gratuito) FrancoClic.


O curso possui uma proposta moderna: ensinar as bases da língua francesa através não só de material escrito, como também de vídeos! (Sim, vídeos a lá realenglish). Contudo, basta começar a assistir aos vídeos para ficar decepcionado. Eu não consigo entender. O governo federal gasta tempo e dinheiro fazendo um curso online de qualidade para depois disponibilizá-los na Internet em uma qualidade de som e imagem precária?


Os vídeos se encontram numa qualidade tão baixa que até conexões discadas conseguem exibí-los em streaming (ok, também não é para tanto, mas chega bem perto disso), sem interrupção. O som então… Eu tenho uma dificuldade tremenda em ouvir até mesmo o que os personagens estão falando em português… É realmente lamentável. Tenho certeza absoluta de que os vídeos foram gravados numa qualidade MUITO melhor do que a disponibilizada.


Eu não estou pedindo nada em HD, mas sim, numa qualidade minimamente decente para que as pessoas possam realmente usufruir dos vídeos para o aprendizado da língua francesa. Do jeito que está, os vídeos mais atrapalham do que ajudam. Como eu disse anteriormente, é difícil até mesmo entender o que os personagens falam em português (minha língua nativa), quem le dera o francês (a língua que os vídeos propôem a ensinar).


A mesma história ocorre com o curso de inglês “Projovem English“, o qual tive o prazer de assistir todos os vídeos. O curso tinha algumas falhas (como alguns erros de pronúncia grotescos) mas, ainda sim, achei um excelente curso. Aprendi várias expressões que não conhecia além de outras dicas aqui e ali. Porém, o principal defeito do curso acaba sendo, novamente, a qualidade dos vídeos. Muito embora os vídeos do Projovem English estejam numa melhor qualidade (quando comparados aos do FrancoClic), eles não ficam muito longe dos vídeos do FrancoClic.


Venho há várias semanas (sem sucesso) tentando entrar em contato com alguém responsável pelo FrancoClic, para sugerir o upload dos arquivos em melhor qualidade. No site oficial, a única forma de contato disponibilizada é através do preenchimento de um formulário. Isso seria mais que suficiente para mim… se o formulário funcionasse! Já testei em vários computadores, em três navegadores diferentes (IE, Firefox e Opera) e 3 sistemas operacionais diferentes (Linux-Ubuntu, Windows XP e Windows Vista) e nada. O formulário simplesmente não funciona. No site também não há qualquer endereço de email ou telefone para contato. Tentei até checar o código fonte da página, para ver se eu encontrava alguma forma de fazer o formulário funcionar. Outra tentativa frustrada.


Cursos online de idiomas são excelentes alternativas que a Internet proporciona àqueles que não tem condições de pagar uma escola particular. A iniciativa do governo federal em fornecer esse curso de francês é realmente louvável. Porém, um descuido tão elementar como o cuidado com a qualidade dos vídeos é realmente frustrante.


Vou continuar tentando contactar alguém responsável pelo FrancoClic para informá-lo sobre a questão da qualidade do som e imagem dos vídeos. Caso você consiga ou saiba de algum contato, por favor, informe nos comentários. Não acho que seja impossível eles colocarem os vídeos em melhor qualidade. Mas, para isso, é necessário que alguém os avise. Conto com a ajuda de vocês.

Categorias:Línguas

Análise: LONGMAN Dicionário Escolar Inglês-Português Português-Inglês

maio 21, 2009 1 comentário

Dictionary_CoverSem mais delongas, esse é o melhor dicionário bilíngue que eu já vi. Eu o uso TODO dia e poucas vezes me deixou na mão. Existem algumas características que fazem deste dicionário melhor que os outros. Aí vão algumas delas:

  1. Inclusão de um CD
  2. Como o próprio nome diz, é um dicionário feito exclusivamente para estudantes brasileiros.
  3. Expressões idiomáticas inclusas por todo o dicionário.
  4. Exemplos de uso em grande parte das palavras, especialmente verbos.

Comentários:

  1. O CD é realmente útil. Possui a pronúncia americana e britânica de todas as palavras que estão no dicionário. Também inclui exercícios gerais de compreensão oral e de leitura. Outro ponto positivo é que ele roda perfeitamente no Wine, ou seja, usuários Linux poderão usá-los sem problemas! Só por esse CD o dicionário já vale a pena.
  2. Você perceberá bem isso ao começar a usá-lo. Nesse sentido, o dicionário é praticamente perfeito. Veja mais no próximo item.
  3. Aqui é onde o dicionário mostra a que veio. Em nenhum outro lugar você irá encontrar um mapeamento tão bom entre expressões idiomátcas do português para o inglês (e vice-versa). Basta procurar a palavra chave e, em 95% dos casos, a expressão que você quer estará lá. Por exemplo, imagine que eu quero saber o equivalente inglês da expressão “Valeu a pena!”. Basta ir até a palavra “pena” e lá estará a expressão procurada “was worth it”. Pouquíssimas vezes o dicionário me deixou na mão quanto à essas expressões.
  4. Outro detalhe marcante é a boa dose de exemplos. Aqui, a proporção é bem menor, mas ainda sim, maior que a de outros dicionários.

É isso ae. Trabalho bem feito tem que ser comentado!

Categorias:Línguas

Como dizer “mais ou menos” em inglês

maio 12, 2009 Deixe um comentário

Existem duas formas para expressarmos “mais ou menos” em inglês. Entre parênteses, está a pronúncia “aportuguesada”:

  1. So so (sou sou. Observe que NÃO é a mesma pronúncia da palavra “soul” (alma). Nesta última, estendemos o som do ‘o’. Ouça em www.thefreedictionary.com)
  2. More or less (mór ór léss)

Por exemplo:

Pergunta: Do you speak English?

Resposta 1: So so.

Resposta 2: More or less.

Ambas estão corretíssimas.  Pode confiar 😀

Categorias:Línguas

Blog: Viagem aos Estados Unidos

maio 11, 2009 Deixe um comentário
Big Sky

Big Sky

Para quem está pretendendo fazer intercâmbio no exterior, nada melhor do que entrar em blogs de pessoas que já passaram por essa experiência. Há vários, basta fazer uma busca na Internet. Porém, o melhor que já encontrei é este aqui:

http://www.viagemeua.blogspot.com/

Nele, o contador Renan conta sobre sua viagem à cidade de Big Sky (EUA). O que diferencia o blog do Renan dos demais desse estilo é a riquesa dos detalhes e a quantidade de informações realmente úteis. Ele descreve com precisão cada dia que passou lá, bem como alguns dias antes da viagem.

Cada post dele faz você literalmente se teleportar para Big Sky. Além disso, ele responde muitas perguntas de quem está querendo viajar para o exterior, especialmente pelo programa “Work and Travel” (o que ele utilizou).

Uma verdadeira pérola, difícil de encontrar nos buscadores pela Internet (apenas encontrei o site dele através de um link no Tecla Sap, www.teclasap.com.br). O blog é tão divertido e interessante que terminei de ler seus mais de 200 posts em apenas 2 dias 😛

PS: Não deixe de conferir as histórias do Dan, o companheiro de quarto do Renan em Big Sky. É uma mais divertida que a outra.

Recomendadíssimo!!!

Categorias:Diversos, Línguas

Palavras mal traduzidas para o português 1: Vetor

maio 11, 2009 2 comentários

Hoje estou estreando a série “Palavras mal traduzidas para o português”. Enquanto se estuda computação (ou qualquer outra matéria, não necessariamente de tecnologia) acabamos percebendo como uma palavra, mal portada de uma língua para outra, pode atrapalhar o entendimento. Eu sempre encontro alguma, no que quer que eu esteja estudando.

A primeira delas é: Vetor (no contexto de programação)

EA Billboard

EA Billboard

Do inglês, “array” significa “coleção”, “conjunto de coisas”. Não tem nada a ver com os vetores da Matemática e da Física. Que jogue a primeira pedra quem nunca pensou num vetor da Matemática na primeira vez que ouviu isso nas primeiras aulas de programação. Essa é uma das coisas que fazem a pessoa demorar para entender o que realmente é um vetor em programação. Acredito que o uso da palavra “coleção” (ou mesmo “conjunto”), seria muito mais adequado e o entendimento do conceito seria muito mais rápido, senão imediato.

Então, já sabe. Da próxima vez que ouvir “coloque esses valores em um vetor”, pense “coloque esses valores numa coleção”. Parece que não, mas, quando você estuda algoritmos mais complicados por exemplo, esses detalhes facilitam (e muito) o entendimento.